TEATRO DE BONECOS

Espetáculo “Zé Pretim e os Oito Jeitos de Mudar o Mundo” chega a Russas

sexta-feira, 11 de março de 2011


A iniciativa tem o objetivo de conscientizar sobre as oito metas do milênio para melhorar o mundo propostas pela ONU

A partir de hoje, 11 de março, o espetáculo Zé Pretim e os Oito Jeitos de Mudar o Mundo, idealizado pelo Núcleo de Produções Culturais (Nuproc) e com patrocínio da Coelce, será apresentado no interior do Ceará. A estréia será em Russas (CE), onde acontecem três apresentações: às 10h, na Escola Murilo Serpa; às 16h, na Escola Raimundo de Deus; e às 19h30, no Centro Cultural Padre Pedro de Alcântara Araújo, onde será aberto ao público. O endereço é Rua Dr. José Ramalho, 1.626.


Até abril, o espetáculo chega aos terminais de integração de Fortaleza e às praças, centros comunitários, escolas e teatros de mais 10 municípios cearenses. Em formato de teatro de bonecos e direcionado ao público infanto-juvenil, tem como objetivo a divulgação e a conscientização sobre as oito metas do milênio para melhorar o mundo propostas pela Organização das Nações Unidas (ONU) em 2000. Além do teatro, o projeto inclui produção e distribuição ao público de um livro.


Ambos narram as aventuras de Zé Pretim em um torneio promovido pelo Rei para encontrar um cavaleiro que o ajude na missão de tornar o mundo um lugar melhor e mais justo. No desafio final, Zé Pretim enfrenta Trom em uma corrida até o pico alto da Serra do Pacoti, onde os dois se deparam com oito pessoas passando por dificuldades, cada uma representando as oito problemáticas a serem minimizadas pelas metas de desenvolvimento da ONU. Enquanto Trom se concentra na vitória, Zé Pretim está sempre disposto a ajudar. A autoria da história, bem como a sua apresentação, será feita pelo artista Aristides Barros.

Confira a programação até abril:
11.03 - Russas
14.03 - Lavras da Mangabeira
15.03 - Iguatu
18.03 - Morrinhos
19.03 - Miraíma
20.03 - Itapajé
23.03 - Caucaia
24.03 - Fortaleza - Terminal do Antônio Bezerra
25.03 - Fortaleza - Terminal da Parangaba
28.03 - Fortaleza - Terminal da Lagoa
29.03 - Fortaleza - Terminal de Messejana
30.03 - Itaitinga
31.03 - Aquiraz
01.04 - Maracanaú


Saiba mais sobre Os Oito Jeitos de Mudar o Mundo


1. Acabar com a fome e a miséria
Reduzir pela metade a proporção da população que sofre de fome e que ganha menos do que o equivalente a um dólar por dia. No Brasil, esse grupo corresponde a 7,5% da população (2003) e 8,0% dos brasileiros consomem uma quantidade de calorias abaixo do nível mínimo (2002).
2. Educação básica de qualidade para todos
Garantir que todas as crianças, de ambos os sexos, terminem um ciclo completo de ensino básico. Cento e treze milhões de crianças no mundo estão fora da escola. No relatório da ONU de 2007, o Brasil ficou apenas na 64ª colocação mundial, com um índice de alfabetização adulta de 88,6%.
3. Igualdade entre sexos e valorização da mulher
Eliminar a disparidade entre os sexos nos ensinos primário e secundário, se possível até 2005, e em todos os níveis de ensino, até 2015. Dois terços dos analfabetos do mundo são mulheres, e 80% dos refugiados são mulheres e crianças. No Brasil (2003), as razões entre mulheres e homens no ensino básico, médio e superior eram respectivamente de: 0,94; 1,11; 1,32.
4. Reduzir a mortalidade infantil
Reduzir em dois terços, entre 1990 e 2015, a mortalidade de crianças menores de cinco anos. Anualmente, cerca de 11 milhões de bebês morrem no mundo por ano. É um índice alto, porém decrescente desde 1980, quando as mortes somavam 15 milhões. A taxa de mortalidade infantil brasileira em 2006 era de 19 para cada 1000 nascidos vivos.
5. Melhorar a saúde das gestantes
Reduzir em três quartos, entre 1990 e 2015, a taxa de mortalidade materna. As carências na área da saúde reprodutiva em países pobres e em desenvolvimento provocam a morte de uma mãe a cada 48 partos. Em 2000, a taxa de mortalidade materna no Brasil era de 2,6 a cada 1000.
6. Combater a AIDS, a malária e outras doenças
Até 2015, ter detido a propagação do HIV/AIDS e a incidência da malária e de outras doenças importantes, além de ter começado a inverter a tendência atual.
O Brasil tem o maior número de casos de malária das Américas, e é o terceiro lugar do mundo em incidência dessa doença. Os casos de Aids, no entanto, diminuíram em quase todos os grupos. O único grupo em que houve aumento foi no de mulheres dos 13 aos 19 anos.
7. Qualidade de vida e respeito ao meio ambiente
Integrar os princípios do desenvolvimento sustentável nas políticas e programas nacionais e reverter a perda de recursos ambientais. O desmatamento, o desperdício de água e a produção excessiva de lixo são alguns dos problemas mais graves enfrentados pela humanidade. Cuidar do meio ambiente deve fazer parte de nosso dia-a-dia. As emissões de dióxido de carbono per capita do brasileiro era de 1,8001t/hab em 2004.
8. Todo mundo trabalhando pelo desenvolvimento
Avançar no desenvolvimento de um sistema comercial e financeiro aberto, previsível e não discriminatório. Com a união de pessoas e governos trabalhando para o desenvolvimento dos países menos desenvolvidos, é possível transpor os obstáculos presentes no caminho para um mundo melhor.

Mais informações:

- Helena Félix, assessora de imprensa do projeto: (85) 9993.4920
- Gerência de Comunicação - Coelce: (85) 3453.4883 / 3453.4045 /
gercom@coelce.com.br


Mais Notícias
  • ARCE 0800 727 0167       ANEEL 167